Izavan, atleta do Bethune da França. Foto: Matheus Silva / Info Futsal Imagens

Há quase dois anos na França, pernambucano Izavan elogia organização do futsal no país

Diferentemente do que acontece no futebol de campo, onde é campeã mundial (1998) e constantemente revela grandes nomes no esporte, a França não tem o mesmo brilho quando o assunto é futsal. A seleção do país caminha a passos lentos na modalidade e segue com poucas chances de disputar uma Copa do Mundo de futsal devido a fragilidade da equipe e da forte concorrência nas eliminatórias europeias.

Mas os franceses estão dispostos a mudar este cenário para os próximos anos e cada vez mais investem em estrangeiros para fortalecer a Liga local. A competição vem crescendo a cada ano e levando vários brasileiros e espanhóis principalmente.

Uma das referências no futsal francês no momento é o pernambucano Izavan Oliveira, 33 anos, que está na sua segunda temporada na terra de Antoine Griezmann. Após defender o Bastia na temporada passada, onde marcou 17 gols, Izavan se transferiu para o Bethune e assinou até junho deste ano. O time está em quarto colocado com 13 pontos na Ligue 1 que tem 12 equipes no total. Além de Izavan outros cinco brasileiros defendem o Bethune.

Ao Info Futsal ele contou que a Liga Nacional de lá é muito bem organizada e dividida em três divisões. O salário, claro, não chega nem perto dos valores pagos no futebol, mas, a média é superior a boa parte dos clubes que disputam a Liga Futsal brasileira. “Ninguém vai para lá para ganhar menos que cinco mil reais.

O bom também é que recebemos bichos (bonificação por vitória) por cada bom resultado”, afirma.  Em Pernambuco ele defendeu Santa Cruz, Náutico e Universo. Depois atuou em vários clubes do Brasil, como São Paulo, Rio Verde-GO, Cianorte-PR e também no Cazaquistão entre 2014 e 2015.

Com esses atributos os franceses, mesmo que em passos lentos, vão evoluindo no esporte e cada vez mais chamando a atenção de estrangeiros. Quem vive no meio do futsal sabe que ganhar um bom salário e ter estabilidade não é fácil. A França oferece um pouco disso e vai conquistando a preferência de muitos atletas. Se ainda não é possível encarar brasileiros e espanhóis em quadra, pelo menos os franceses vão fortalecendo a Liga Nacional e abrindo portas para a entrada de novos estrangeiros nas equipes locais.

Compartilhe:
Matheus Silva

Jornalista com vasta experiência em coberturas esportivas, apaixonado por Futsal e atualmente Editor do Info Futsal.